Rolling Stone Country
Sertanejo » Racismo

Simone, dupla de Simaria, é criticada por não fazer posicionamento próprio contra racismo de Rodrigo Branco

A cantora apenas repostou o texto do Padre Fábio de Melo e comentou que fazia as palavras do padre as dela

Redação Publicado em 02/04/2020, às 15h02

Simone é criticada por não publicar um posicionamento próprio sobre o caso de racismo de Rodrigo Branco
Simone é criticada por não publicar um posicionamento próprio sobre o caso de racismo de Rodrigo Branco - Reprodução/Instagram

Simonese posicionou contra o caso de racismo do empresário e amigo Rodrigo Branco repostando um texto do Padre Fábio de Melo. Porém, a dupla de Simaria foi criticada nas redes sociais por não ter feito um posicionamento próprio sobre o caso e "apenas feito as palavras do padre as dela". 

+++ Leia Mais: The Voice Kids não consegue conquistar prêmio internacional e programa da Bélgica leva a melhor

No repost da publicação, Simone deixou um apenas comentário embaixo dizendo que estava triste com toda a situação e "fazia de cada palavra do Padre Fábio de Melo as dela". Diversos fãs e seguidores responderam o comentário da cantora criticando-a por ter apenas repostado o texto e não ter feito um com as próprias palavras. "Seus fãs merecem as suas palavras e não as do padre", comentou um seguidor. "Não tem opinião própria", escreveu outro. 

Dentre muitas posições, os fãs começaram a discutir sobre a falta de uma fala própria da irmã de Simaria. "Você literalmente copiou o padre, falta de compromisso com seu público", escreveu um seguidor, enquanto outro respondeu: "E a opinião dela não pode ser a mesma do padre?".

+++ Leia Mais: Barriga de grávida da esposa de Sorocaba surpreende e intriga fãs: "A minha sem bebê está 10 vezes maior"

Em meio aos comentários, o marido de Simone, Kaká Diniz, escreveu um texto nos comentários defendendo a cantora. “Se a Simone ficasse calada, as pessoas iriam dizer que ela é racista por não se posicionar e estar em silêncio (mesmo sendo um direito dela); se ela se posiciona por algo que ela não fez as pessoas dizem que era para ela ter escrito um texto", argumentou ele. "Sabe o que é pior? 90% das pessoas que fazem qualquer ataque na internet, nem se quer defendem uma única causa, só fazem para tentar oprimir as pessoas”, completou Kaká. 

+++ Leia Mais: Live de Wesley Safadão vai virar DVD e arrecadar fundos para combater o coronavírus: 'Levar alegria para quem está em casa'

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

#Repost @pefabiodemelo Não tô aqui fazendo torcida pra ninguém. Quero apenas, com muita humildade, oferecer meu lugar de fala ao Babú. Em poucos minutos ele nos recordou que precisamos ressignificar o que dizemos. A mim sempre incomodou o simbólico negativo que atribuímos ao conceito de negro. Mas eu quero e preciso evoluir. O que digo influencia o que penso. É neste ciclo que preciso interferir. Há 7 anos eu escrevi um livro intitulado: “o discípulo da madrugada”, a história de um homem que só se encontrava com Jesus sob a proteção da madrugada. Foi uma forma de ressignificar a noite. Lá eu disse: “sim, o escuro também me ilumina.” Sei que muitos estão sabendo do episódio de racismo que envolveu meu amigo Rodrigo Branco. Nesta semana, ele proferiu agressões verbais à Thelma, do BBB, e à apresentadora Maju Coutinho. A sua fala me estarreceu. Eu não costumo colocar meu senso de justiça no bolso para defender os que amo. Quando tive um familiar preso por roubo, eu assumi a defesa de quem foi roubado. Rodrigo é um irmão que a vida me deu. Mas não assumo sua defesa. Não compactuo com o que ele disse. Mas não o abandono, pois sei que ele jamais me abandonaria. Hoje, quando assisti a esse vídeo, vi uma oportunidade de tocar no fato, uma vez que tantos sabem de minha proximidade com ele. Babu nos alerta para o racismo da linguagem. Ele tem razão. Precisamos de uma profunda mudança de mentalidade. Thelma e Maju são duas mulheres grandiosas, mas não o são porque são “pretas”. São porque são. Mas não podemos negar que o caminho para elas foi muito mais difícil que para os que nascem sob o “vergonhoso e infame privilégio da cor.” A exemplo de Zileide Silva, Glória Maria, Heraldo Pereira e tantos outros, elas nos recordam que seus espaços não lhe foram concedidos por piedade ou correção histórica, mas sim, por competência e capacidade. Eu estou muito triste com o acontecido. E queria que tudo isso nos ensinasse. Pode ser que você também tenha algo a ser corrigido na mentalidade e suas expressões. Apresemo-nos. Para que ataques como o do Rodrigo não se repitam. Para que a luz dos pretos nos livre de nossa claridade. FAÇO DO PE. FÁBIO AS MINHAS PALAVRAS. Estou triste d+!

Uma publicação compartilhada por simoneses (@simoneses) em

 

 
 

Siga a @RSCountryBR nas redes sociais e não perca nada do universo country e sertanejo.