Rolling Stone Country
Entrevistas » Pandemia

Sem show, Luan Estilizado diz que classe artística está esquecida pelo governo: 'Muita gente está passando fome' [EXCLUSIVA]

Em entrevista à RS Country, o artista cobra medidas para e planos direcionados para a indústria musical

Isabelle Colina Publicado em 31/07/2020, às 12h00

Luan Estilizado teve 108 shows cancelados
Luan Estilizado teve 108 shows cancelados - Foto: Divulgação

Em março deste ano, todos os eventos com aglomerações - inclusive shows musicais - foram cancelados, para que não houvesse uma propagação maior do novo coronavírus. Desde então, há mais de 100 dias, todo o mercado do entretenimento está parado aguardando a retomada. 

Neste momento, muitos artistas investiram na realização de apresentações no formato de lives pelas plataformas digitais. Contudo, muitos artistas dispensaram colaboradores da equipe alegando dificuldades para mantê-los neste período longe dos palcos.

+++Leia Mais: Lives substituem shows e sertanejos criam nova forma de gravar DVDs ao vivo; confira detalhes dos projetos [EXCLUSIVO]

É importante considerar também que muitas pessoas que estão fora do showbusiness, também dependem da renda dos eventos, como, por exemplo, redes de hotelaria, vendedores autônomos, comércio local e outras funções. 

Pensando nisto, o forrozerio Luan Estilizado, publicou um vídeo nas redes sociais questionando os governos locais e federais sobre as medidas e planos direcionados para a indústria musical. O artista afirma que a classe está esquecida, mesmo sendo uma das que mais movimenta a economia. 

A Rolling Stone Country procurou o artista para entender melhor sobre o questionamento e sobre possíveis planos para a classe artística neste momento de pandemia. 

+++Leia Mais: Lives sertanejas: artistas se adaptam às regras do YouTube, mas buscam alternativas pagas [ANÁLISE]

"Algumas pessoas enxergam só o cantor, mas é uma cadeia muito grande. Por trás da gente tem muita coisa. Eu consigo sobreviver, mas tem muita gente está passando fome. Não defendo uma retomada dos shows. Que isso seja daqui a 1 semana ou até 10 anos, mas não existe nenhuma conversa, nem planos. Estamos totalmente esquecidos", diz. 

Luan Estilizado teve muitos planos da carreira afetados pela pandemia. Em janeiro deste ano, ele havia lançado o DVD Só Moda Boa, que segundo o artista, foi praticamente perdido e não obteve o resultado almejado. 

Apesar de todas as dificuldades, Luan garante que não dispensou nenhum funcionário e irá honrar com as famílias até onde conseguir. As lives foram a alternativa encontrada para arrecadar. 

+++Leia Mais: "Mundo pós pandemia': mercado cultural terá que se adaptar à nova rotina dos sertanejos

"As lives e os patrocínios estão ajudando, pois, estamos conseguindo pagar nossos funcionários. Inclusive, conseguimos alcançar um valor bacana, mas até isso está caindo", afirma. 

O forrozeiro garante que não espera que o governo arque com as despesas das pessoas que dependem da renda artística, contudo, é importante que seja montado um plano para que famílias não fiquem sem aparo neste momento.

Confira os melhores momentos da entrevista:

RS Country: Você consegue mensurar o quanto a pandemia afetou você e a sua carreira?

Luan Estilizado: Ela afetou muito. Tínhamos o costume de estar na estrada viajando, tendo contato com os fãs, além disso, tinha acabado de lançar um DVD que ficou praticamente perdido. Não conseguimos estourar uma música somente com o rádio, pois precisamos ter os shows. Está sendo bem complicado.

RS Country: Você teve que dispensar algum membro da sua equipe?

Luan Estilizado: Não dispensei nenhum! São mais de 20 famílias comigo e enquanto eu puder, vou honrar com eles. Quando chegar meu limite, infelizmente vou ter que dispensar. Não existe outra saída. 

+++Leia Mais: De 'Princesinha do Forró' a mulher no sertanejo: conheça a trajetória e carreira de Andreza

RS Country: Você defende a retomada dos shows antes do fim da pandemia?

Luan Estilizado: Eu defendo a conversa. Não existe nenhum diálogo. A gente vê outros setores da economia voltando e a gente não. Queremos ter uma conversa primeiro. Em nenhum momento eu citei sobre uma possível retomada dos shows, eu defendo uma conversa, pois estamos esquecidos. O governo tem que ter um plano para mostrar uma saída, que seja daqui a 1 semana ou até 10 anos. 

RS Country: No vídeo publicado nas redes sociais, você fala sobre a possibilidade de um show com menos pessoas, contudo, os profissionais da saúde alertam que o fato de ser 100 ou 10,000 pessoas, não mudaria o contágio. Qual sua opinião sobre?

Luan Estilizado: Eu pergunto, as filas de banco, aviões, ônibus, e o distanciamento? Coloco isso em pauta. Existe uma higienização, um plano. Está tudo voltando com a capacidade reduzida, existe um plano para a retomada para a economia. Continuamos sem perspectiva. 

RS Country: As lives não são suficientes para este momento?

Luan Estilizado: As lives e os patrocínios estão ajudando, pois, estamos conseguindo pagar nossos funcionários. Inclusive, conseguimos alcançar um valor bacana, mas até isso está caindo. As empresas estão tentando investir em outro tipo de mídia. O YouTube paga um valor pequeno pelas visualizações e o Ecad ainda quer que o YouTube cobre dos artistas pelas execuções das músicas e patrocínios. 

+++Leia Mais: Ecad e editoras musicais cobram taxas dos direitos autorais para compositores em lives e produtores desaprovam

RS Country: Sabemos que são milhares de pessoas que dependem da renda do entretenimento. Você espera que o governo arque com essa despesa?

Luan Estilizado: Não queremos que ninguém arque com as despesas da gente. Sabemos das nossas responsabilidades. Artistas, músicos, seguranças estão passando por dificuldades. É uma cadeia muito grande. Algumas pessoas enxergam só o cantor, mas não. Por trás da gente tem muita coisa. Eu consigo sobreviver, mas tem muita gente já passando fome e está complicado. 

Siga a @RSCountryBR nas redes sociais e não perca nada do universo country e sertanejo.